Desde 1953 • Cafés SuperEspeciais
fazenda primavera

Fazenda Primavera: o lugar do melhor café do mundo

“Minas são muitas”: a sutileza na fala de Guimarães Rosa mostra a grandeza de um estado que encanta pela multiplicidade. Os caminhos das minas e das gerais guardam um dos melhores cafés do mundo, produzido pela Fazenda Primavera, em 2018.

O bairrismo pode até ser considerado exagerado, mas a verdade é que não existem excessos na afirmação, já que os cheiros e as riquezas de Minas Gerais são condutores dos caminhos de todo o estado.

Prova disso vem da potência do setor agrícola, em especial, da alta produtividade de café, o que faz de Minas o maior estado produtor do mundo. A qualidade dos grãos é outro ponto relevante. Um bom exemplo é o café Fazenda Primavera, reconhecido mundialmente por apreciadores de café especial.

O Grupo Montesanto Tavares

A Fazenda Primavera está localizada na região da Chapada de Minas, na cidade de Angelândia. Ela faz parte do GMT Farms, um dos principais grupos de café do mundo, junto de Atlantica Coffee, Armazém Atlantica, Ally Coffee, Armazéns Leste de Minas, entre outras empresas.

A propriedade sempre foi reconhecida no mercado, principalmente pelos consumidores europeus e japoneses. Esse protagonismo tornou-se ainda mais relevante, em 2018. Isso porque, a Primavera foi escolhida por produzir o melhor café do mundo no concurso mais relevante de qualidade de grãos para agricultores do mundo, o Cup of Excellence.

Geisha: o melhor café do mundo

O caminho de destaque foi trilhado pelo café Geisha, uma variedade descoberta na Etiópia, mas que ganhou fama nas montanhas do Panamá, em 2004. Na Fazenda Primavera, o plantio foi iniciado em 2015. Contudo, não pense que o cultivo desse grão é simples.

A produtividade baixa e a maturação irregular colocou o Geisha entre os melhores cafés do Brasil e do planeta. Para ter ideia, o Geisha da Primavera venceu os grãos etíopes e panamenhos, que, por muitos anos, encabeçaram o posto absoluto de melhores cafés do mundo.

Por isso, na Fazenda Primavera, há não só a produção dos melhores cafés especiais do Brasil como o cultivo de qualidade dos grãos. Tanto que, além do primeiro lugar conquistado pela propriedade em 2018, no ano seguinte, ela ocupou o segundo lugar de melhor café do Brasil.

A produção do Geisha na Primavera

Aliás, isso mostra constância nos processos de produção, que impressionam pela entrega de qualidade em grande escala. De acordo com Barnabé, gerente da Fazenda Primavera, são 1.036 hectares de extensão: “contamos com um espaço para reserva legal, represa, área administrativa e plantações”.

O tamanho da plantação é de perder de vista, enquanto o volume de colheita por dia chega a até 650 kg de café, o que gera mil sacas. Esse ciclo é fundamental na cafeicultura e em toda a qualidade do grão.

Tudo isso é importante para a cadeia do café especial. Contudo, não significa o fim do processo. O tipo de adubação, qualidade e processo industrial são pilares de sustentação muito relevantes, tanto que não há exageros na afirmação que diz “fazenda é indústria a céu aberto”.

O processo da Fazenda Primavera

fazenda primavera

A fazenda possui mais de 30 anos. Porém, desde 2010, está sob a gestão do Grupo Montesanto Tavares. Criado em 1998, é uma holding de origem brasileira com atuação em mais de 60 países.

A atividade mercadológica ocorre a partir da produção, do processamento, da exportação e da importação dos grãos de café. De acordo com Marina Castro, responsável pela Qualidade do Grupo Montesanto, a produção de sacas é mensurada anualmente.

Essa diferença citada por Marina ocorre devido à produtividade da planta cafeeira. “Em anos bons, produzimos cerca de 30 mil sacas de 60 kg. Já este ano [2021], vamos colher aproximadamente 11 mil sacadas”, explica.

Entre as variedades destacadas na Fazenda Primavera, estão Geisha, Catuaí, Asa Branca e Bourbon, populares no Brasil. Além disso, a Primavera é reconhecida mundialmente por guardar um jardim de espécies exóticas, como Pink Bourbon, Sarchimor, Obatã, Arara, entre outras.

Para ter ideia, são mais de 40 variedades, com necessidades distantes de manejo, colheita e processos de pós-colheita. Aliás, o café Arara é 100% brasileiro e conhecido pela doçura acentuada.

A diversidade do café especial brasileiro

Em setembro, a Coffee ++ lançou o microlote limitado da variedade Arara, em comemoração à Independência do Brasil. Esse tipo foi escolhido pela resistência na lavoura e pela cor amarela do fruto, que se destaca.

Na xícara, ele surge com notas sensoriais que lembram abacaxi, maracujá, carambola, ameixa e caramelo. Esse microlote limitado tem o aroma como uma das características mais marcantes, ao lado da acidez cítrica e do corpo elevado.

Na Coffee ++, você pode viver experiências diversas, assim como saborear as notas sensoriais de flores de jasmim do Geisha. Tudo isso em métodos distintos, nas versões de café moído, grãos, drip coffee e cápsulas compatíveis com as máquinas Nespresso.