Desde 1953 • Cafés SuperEspeciais
café indiano

Café indiano e as histórias por trás da xícara

O mundo do café é místico, por isso as lendas que circulam a bebida são inúmeras. Aliás, a história que explica a origem do café indiano merece destaque e um cafezinho coado para acompanhar a leitura. Então, coloque a água para ferver e pegue a xícara que será sua companhia para esse texto.

Segundo relatos, o café foi parar na Índia de uma forma bem curiosa. Como já falamos algumas vezes aqui no blog, o café foi descoberto na Etiópia, em 575. Inclusive, foi de lá que os grãos caminharam e se disseminaram pelo mundo de maneiras distintas.

Ao que tudo indica, o café da Índia chegou ao país por volta do século 16. Sabe como foi isso? Acredita-se que um monge chamado Baba Budan estava em peregrinação a Meca. Nessa época, esse era o local onde ocorria toda a comercialização de café, já que o Iêmen era o único produtor e não admitia que o café saísse de lá torrado.

Café indiano: o protagonismo de um monge

Desse modo, a exportação só ocorria depois que os grãos passassem pela torrefação. Contudo, Baba achou aquilo um absurdo e, quando passou pelo porto de Mocha (no Iêmen), o sábio homem escondeu sete sementes nas vestimentas.

Quem duvidaria de um monge, não é? Ele escolheu exatamente sete sementes, visto que esse número é sagrado na Índia. Assim, havia a proteção natural dos deuses, bem como a permissão para o plantio. Portanto, as sementes viajaram pelo oceano dentro das vestimentas de Baba.

Quando chegou em casa, o monge rapidamente plantou o café em frente à janela do quarto. Sabido que era, ele queria acompanhar todo o crescimento daquela planta. Baba vivia no alto da montanha, e o terroir foi ótimo para o plantio dos pés de café.

Acredita-se que a Índia tenha conhecido dessa forma o sabor da iguaria aclamada em todo mundo. Tanto é que as variedades Jackson, Kent, Coorg e Mysore têm os primeiros registros de descoberta em terras indianas. Aliás, isso é uma prova e tanto de que a lenda do monge e do café indiano têm pontos bem interessantes de realidade.

A origem indiana do café com especiarias

Em relação às receitas, o café com especiarias agrada a paladares exóticos. Na mistura, a ideia é potencializar sabores, e o uso de noz-moscada, canela em pó, chocolate e creme de leite resulta em uma bebida de gosto diferenciado.

Outra dica para quem busca explorar o paladar é o café com cravo-da-índia. Aquele cravinho utilizado em muitas receitas brasileiras, como o arroz-doce, tem um resultado muito interessante e combina com o café na xícara. Que tal arriscar a receita, hein?

Como fazer um café indiano

  • 1 xícara de café expresso Ricardo Tavares;
  • 1 xícara de leite integral;
  • ½ xícara de leite condensado;
  • 1 colher de canela em pó;
  • 1 pitada de cravo-da-índia;
  • 1 pitada de noz-moscada;
  • 2 colheres de chocolate meio-amargo ralado;
  • 2 colheres de creme de leite.

Modo de preparo

Essa receita de café indiano é bem simples. Para começar, em uma panela em fogo baixo, aqueça o leite, o leite condensado, o cravo-da-índia, a noz-moscada e a canela. Mexa bem, espere levantar a fervura e coloque o café expresso pronto. Então, desligue e sirva em canecas altas.

café indiano

A Índia e a cultura do café

Para acompanhar a bebida, nada é melhor que um café da manhã indiano original. A comida do país é muito saborosa, além de saudável. Assim, para iniciar o dia, é comum encontrar ao amanhecer: lentilhas, salsicha vegetariana, torrada com banana e pimenta, além do pão Chapati (semelhante ao pão sírio).

Em relação ao café com leite indiano, a curiosidade fica com o resultado, que é dourado. O preparo é milenar e se trata de uma bebida ayurvédica, portanto benéfica para o organismo e relaxante. Você precisa apenas de um copo de leite morno (de vaca ou vegetal), uma colher de açafrão-da-terra e uma pitada de pimenta-do-reino.

O resultado é uma mistura dourada, cheia de saúde e amada por toda a Índia. Para o café indiano, a opção são os grãos produzidos pelo campeão mundial de qualidade do café, Ricardo Tavares, na região da Chapada de Minas.

Receita com café superespecial

As notas sensoriais especiais de frutas secas entregam um sabor intenso, por isso o café superespecial acima de 84 pontos não necessita de açúcar. Então, vale experimentar o resultado da receita antes de usar toda a quantidade de leite condensado.

Por isso, o ideal para qualquer receita com base de café é priorizar a qualidade dos grãos. Todos os cafés da Coffee ++ são avaliados de acordo com as regras internacionais da Speciality Coffee Association (SCA). Isso significa doçura natural, aroma, aspectos sensoriais e equilíbrio na acidez da bebida.