Desde 1953 • Cafés SuperEspeciais
coador de café de pano

Conheça a história do coador de café de pano

Tomar café é um ritual de conexão. Embora cada um tenha um jeito especial de preparar a bebida, existe um método que surge como uma das formas mais populares do mundo. Descobriu de que estamos falando? Sim, o coador de café de pano é histórico e tem tudo a ver com a trajetória do café.

Porém, você sabe de onde surgiu o coador de pano? Tudo se iniciou a partir da fértil imaginação humana, na França, por volta de 1700. Acredita-se que os navegadores começaram a “passar” o cafezinho em coadores de linho ou algodão. Contudo, a popularidade chegou anos depois, em 1815, na Inglaterra.

Esse coador de café tecido rendia um aspecto pouco saboroso ao café, até por conta dos resíduos presentes no filtro. Então, uma dona de casa arretada cansou de reclamar do gosto de pano no café e decidiu criar uma forma de preparo com esse método. Foi assim que Melitta Bentz escreveu o nome no mundo do café em 1908.

Ela transformou o jeito de passar um coado: a solução veio com um bule de latão, com um papel mata-borrão no fundo, que ela furou. Dessa forma, nasceu o primeiro coador descartável da história e Melitta inovou o processo de preparo em todo o mundo.

A história do coador de pano no Brasil

Já no Brasil, a proposta do coador de café de pano seguiu como necessidade. Isso porque a época em que os grãos chegaram por aqui, em 1721, era de crise do ciclo do açúcar. A cana-de-açúcar era a principal atividade econômica da colônia portuguesa, devido ao consumo europeu, mas o cultivo era escasso.

Com a crise do açúcar, o café tomou o protagonismo, já que o mundo havia iniciado o consumo motivado pelo aspecto de energia. Com mais bebedores, o filtro de pano conquistou o apego de grande parte da população. Afinal, a viabilidade financeira era maior e as máquinas de expresso vieram depois, por volta de 1950.

O Brasil se popularizou no plantio, e o consumo do café acompanhou esse desenvolvimento. Nesse período, coar café ganhou força por aqui e dividiu espaço nas cafeterias com expresso e outros métodos. Porém, em 1980, os coadores perderam espaço definitivo e os equipamentos de expresso alcançaram hegemonia.

O resgate afetivo do “passar” um cafezinho

Contudo, com a chegada da Quarta Onda de consumo (em que a vivência do café especial é possibilitada para todos), o coador de café de pano voltou a ocupar o lugar merecido. Segundo especialistas, esse processo surgiu guiado por um resgate de memória afetiva.

O consumo da bebida feita no filtro de café de pano também é impulsionado pelo crescente consumo interno, pela facilidade e pela democratização de bons grãos. Assim, o café especial passou a ser reconhecido por todas as experiências sensoriais, bem como pelo resgate de lembranças, que construiu parte do ritual.

Esse processo afetivo, aliás, é típico do Brasil, como explica a Q-Grader e especialista em qualidade, Cecília Sanada. Em outras palavras, quantas pessoas não foram conduzidas pelo cheiro que invadia a casa e se misturava com as risadas de toda a família? Uma felicidade na beirada do fogão.

Coador de pano e casa de avó

coador de café de pano

Minha avó gostava do coador de pano de café e sempre o fervia antes de preparar o café. Essa forma de fazer café, aliás, é defendida por muitos especialistas, que apoiam o sabor originário do filtro de pano, já que há preservação dos óleos essenciais dos grãos e, consequentemente, potência de aspectos sensoriais.

O coador de café de pano é o resultado dos óleos que “escorregaram” pelo filtro, o que dá mais corpo à bebida. Porém, é importante que a higiene seja criteriosa para evitar a proliferação de bactérias. Além disso, não é aconselhável utilizar sabão ou detergente.

Para a conservação, a nossa dica é guardar numa vasilha com água dentro da geladeira. Quanto à durabilidade, o tempo médio é de seis meses e se trata de um método sustentável.

Em relação ao preparo, não tem muito segredo. Porém, obviamente, fazer um café igualzinho ao da sua avó ou da sua mãe é um caminho longo. Ainda assim, existe um guia nosso aqui na Coffee ++, que ajuda na hora de passar o seu cafezinho.

Receita de café no coador de pano

Ingredientes

  • 20 g de café moído na hora, ou seja, dois dedos de pó no copo de requeijão.
  • 250 ml de água, um copo americano de água.

Modo de preparo

Coloque a água para ferver e quando começar a levantar as bolhinhas, desligue. Essa é a temperatura adequada. Então, utilize 50 ml de água fervendo para escaldar o coador de pano e jogue fora.

Em seguida, coloque o pó de café no filtro e despeje a água em círculo bem lentamente, aas fique atento à borra de café final do filtro, pois ela concentra amargor. Então, deguste e viva a experiência de cada nota do seu café acima de 84 pontos.

O café especial no coador de pano

Ficou curioso para preparar um café superespecial no coador de pano? Na Coffee ++, os cafés proporcionam experiências distintas, vindas de notas sensoriais que lembram doce de marmelo, doce de leite, flores de jasmim, frutas, entre outras. Conheça nossos cafés.