Desde 1953 • Cafés SuperEspeciais
acidez do café

Acidez do café: conheça os tipos e como neutralizar

A acidez do café é um conceito difícil de se definir em uma palavra. Ele não se encaixa em descrições comuns da palavra “ácido”, como picante, azedo e afins. Quando se trata da bebida, essa característica influencia diretamente no sabor e no aroma, que pode assumir resultados diferenciados.

Esse atributo é venerado por muitos, principalmente por #cafequizados mais recentes e especialistas da área. A acidez do café é complexa e pode ser separada em duas categorias: clorogênicos e orgânicos, que geram diversas vertentes.

Qual a diferença entre acidez e amargor?

O café ácido muitas vezes é confundido com um amargo, mas os dois conceitos são completamente diferentes. A acidez pode ser sentida nas laterais, ao final da língua, sendo identificada mais rapidamente e se assemelhando à sensação de tomar uma limonada. O amargor é identificado no topo, também ao final da língua.

Segundo a SCA (Associação de Cafés Especiais), essa característica é detectada por meio de avaliações. O ácido do café é usado para identificar a vivacidade, a doçura e as notas sensoriais frutadas. Quando é usado corretamente, diz-se que a bebida está “brilhante”. Quando é o contrário, ele está “avinagrado”. Curioso, não é?

Tipos de acidez

acidez do café

Como dito anteriormente, a acidez do café se divide em duas categorias: clorogênicos e orgânicos. A dos clorogênicos se subdivide em duas vertentes: quínico e cafeico. Ao contrário do cafeico, o quínico deixa a bebida com gosto menos agradável, resultando em uma bebida mais amarga.

Já na categoria dos orgânicos, o café é ácido, mas de uma forma positiva. Ele pode ser cítrico, fosfórico, málico, acético e tartárico. Cada um acrescenta notas frutadas que deixam o resultado com um gostinho especial. Bom demais da conta, não é? Os cafés especiais da Coffee ++ se encaixam nessa categoria.

Ácido cítrico

Assim como o nome sugere, os cafés especiais com esse tipo de acidez possuem as mesmas características encontradas em frutas cítricas, como o limão, a laranja e o abacaxi, por exemplo. Elas destacam ainda mais os aromas e sabores, preservando a coloração dos alimentos.

Ácido fosfórico

Esse tipo de acidez causa um efeito efervescente que lembra o frescor de um espumante. Ele está presente nos refrigerantes e é bastante comum nos cafés especiais produzidos no Quênia.

Acidez málica

Encontrada em maçãs, a acidez málica é comum em grãos produzidos em altitudes elevadas, assim como nos cultivados dentro da América Latina. É um café menos ácido, mais leve, suave e maduro.

Acidez acética

Presente no vinagre, esse tipo de acidez não é recomendado para a bebida, pois pode causar queimação no estômago, além de gerar defeitos. Também é responsável por transformar os açúcares do grão.

Acidez tartárica

Se você é um amante de uvas, deve saber de qual acidez estamos falando. Ocasionalmente, a acidez tartárica é encontrada em vinhos e nos sais formados a partir da fermentação dessa bebida. Ela é desenvolvida a partir do ciclo vegetativo da videira.

Como neutralizar a acidez do café?

Há diversos caminhos para aprender como neutralizar a acidez do café. Um dos principais é aumentar o tempo de infusão da bebida, optando por uma moagem mais fina. A moagem mais grossa garante mais acidez e até mesmo mais amargor.

Para diminuir a acidez do café, a água fria também deve ser evitada, pois não consegue extrair os ácidos. Se utilizar a dica de moagem mais fina, com a água em temperatura de 90º C, você conseguirá conquistar o resultado desejado. Fervê-la não é uma recomendação.

O que influencia a acidez do café?

Agora que você já sabe neutralizar a acidez, já se perguntou o que influencia esse atributo? O terroir, por exemplo, é um dos principais fatores que interferem nessa característica. Ele afeta o metabolismo do cafeeiro, ainda mais por ser ligado à sua fisionomia. Em épocas mais frias, a formação do ácido é maior.

Além do terroir, o processo pós-colheita é um grande influenciador, sendo os processos via úmida os que conquistam maior acidez. Os grãos são movidos para a secagem somente após despolpamento, fermentação e remoção da mucilagem.

Vale se atentar ao ponto de torrefação. Como a acidez do café é frágil, quanto maior for a temperatura do ponto, menor será a quantidade de ácidos. Cafés de torra clara: mais ácidos; torra média: mais equilibrados; torra escura: menos ácidos.

Conheça os cafés especiais da Coffee ++

Agora que você já ampliou seus conhecimentos sobre a acidez do café, que tal experimentar os produtos da Coffee ++? Todos os nossos cafés são 100% arábica, ou seja, com mais doçura e sabor sem a adição de qualquer aditivo na composição. Além disso, eles têm acidez equilibrada e são avaliados em mais de 84 pontos na SCA (Associação de Cafés Especiais).

Há formatos de cafés para todos os gostos: grãos, moídos, cápsulas e drip coffee. Já sabe qual o seu preferido? Experimente o saborzinho clássico da casa, assim como o Chapada de Minas, o Mantiqueira de Minas, o Cerrado Mineiro e o Geisha, que é a bebida oficial da família imperial japonesa.